A huge collection of 3400+ free website templates JAR theme com WP themes and more at the biggest community-driven free web design site
Home / Regiões / Goiás / Escândalo: relator das contas do Governo Marconi teria recebido propina da Agecom

Escândalo: relator das contas do Governo Marconi teria recebido propina da Agecom

O conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Goiás Kennedy Trindade, suspeito de ter se beneficiado do desvio de verbas publicitárias do Governo Marconi Perillo (PSDB), em 2016, foi o relator das contas do terceiro mandato do ex-governador referentes aos exercícios de 2011 e 2013,

Matéria assinada pela jornalista Fabiana Pulcineli, do jornal O Popular, nesta terça-feira,02, revela que Kennedy Trindade teve contas de luz pagas com recursos desviados de verbas publicitárias em 2016. As contam teriam sido pagas em 15 faturas à antiga Celg (hoje Enel) em nome do conselheiro, totalizando um valor de R$ 24.644,15.

O caso que envolve o conselheiro está sendo apurado pela Polícia Civil de Goiás no curso da Operação Sofisma, deflagrada em janeiro último, cujo objetivo é desvendar um suporto esquema de corrupção de 2015 a 2017, dentro da estrutura de comunicação do Governo de Goiás, e que consistia no direcionamento de verbas públicas para sites e blogs ligados ao grupo que comandava o executivo estadual.

As contas de 2013 do então governador Marconi Perillo, relatadas por Trindade, apresentam inconsistências apontadas pela área técnica do Tribunal, como déficit orçamentário, não cumprimento das metas de resultados primário e nominal e utilização indevida dos recursos da conta centralizadora, que naquele ano apresentava saldo negativo de mais de R$ 800 milhões.

Mesmo assim, o relator opinou pela emissão de Parecer Prévio favorável à aprovação das Contas daquele exercício, sem ressalvas, emitindo 11 determinações ao Governo de Goiás.

A denúncia

Segundo o jornal, a Agecom teria repassado “a propina” através do então presidente da Agência Goiana de Comunicação, Luiz José Siqueira.

As suspeitas de favorecimento estão sendo apuradas pela Polícia Civil de Goiás no curso da Operação Sofisma, deflagrada em janeiro último, cujo objetivo é desvendar um esquema de corrupção operado entre os anos de 2015 e 2017 dentro da estrutura de comunicação do Governo de Goiás e que consistia no direcionamento de verbas públicas para sites e blogs ligados ao grupo que comandava o executivo estadual.

Confiram os trechos da matéria assinada pela jornalista Fabiana Pulcinelli

“Em dois depoimentos à polícia – um no dia da operação e outro uma semana depois -, o publicitário, dono da agência Uniart, disse que Luiz José Siqueira fez pedidos de dinheiro e de pagamentos a terceiros desde o início do contrato da agência Uniart com o governo, cujo valor era de R$ 12 milhões anuais.

Carlitos afirmou ter repassado mais de R$ 1 milhão para Luiz Siqueira, em pagamentos de R$ 10 mil, R$ 20 mil e R$ 50 mil em dinheiro, ao longo dos anos. A licitação para a contratação de dez agências de publicidade ocorreu em 2013. Luiz Siqueira é ex-cunhado da ex-primeira-dama Valéria Perillo.

O publicitário contou que em 2016 o então presidente da Agecom entregou os boletos de energia a ele, em uma reunião na sede da agência. Segundo Carlitos, os boletos foram pagos por um funcionário da Uniart (cujo nome ele diz não se lembrar) em casa lotérica dois dias depois. Ele afirmou que não teve contato com Kennedy e apenas identificou o nome como alguém que ocupou cargos públicos.

“Os pedidos eram sempre feitos em forma de chantagem velada, sendo que o declarante se sentia obrigado a realizar o pagamento com medo de perder o contrato, já que este poderia ser cancelado unilateralmente”, relata o termo de depoimento do publicitário.”

Foram alvos da Operação Sofisma  o dono do site Goiás24Horas, Cristiano Silva, os blogueiros Cleuber Carlos do Nascimento, Eni Isabel de Aquino Alves e Luiz Gama e também os ex-servidores públicos estaduais João Furtado de Mendonça Neto, Luiz José Siqueira e Manoel Xavier Ferreira Filho, além de Antônio Augusto Passos, Márcia Regina de Paiva e Carlito Ramos Verano.

A ação decorre de representação criminal do Ministério Público de Goiás, em peça assinada pelo promotor de Justiça Fernando Krebs, da 57ª Promotoria de Defesa do Patrimônio Público. De acordo com a denúncia enviada a Polícia Civil, o Ministério Público alega que Cristiano Silva seria o dono e editor do Blog Goiás24Horas, que durante o governo do tucano Marconi Perillo recebeu vultosas verbas públicas para disseminar factoides em favor do Governo de Goiás e outros atacando os adversários dos então mandatários do Estado, com cunho eminente político e sem nenhum conteúdo institucional.

Com os novos fatos descobertos pelas investigações, como a possível participação do conselheiro do TCE-GO, e como ele tem prerrogativa de foro por função, os autos devem ser remetidos ao Superior Tribunal de Justiça. De acordo com o delegado do caso, Alexandre Otaviano Nogueira, o conselheiro Kennedy Trindade “pode estar incurso nos crimes de corrupção e peculato e ainda associação criminosa ou organização criminosa”.

Além disso, verifique

Goiás regista 4.725 novos casos de Covid nas últimas 24h

Em todo o território goiano, já há mais de 734.875 mil casos registrados de contaminação. E 20.643 …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *