A huge collection of 3400+ free website templates JAR theme com WP themes and more at the biggest community-driven free web design site
Home / Notícias / Economia / “Plano B é fechar para liquidação”, diz Caiado sobre situação do Estado

“Plano B é fechar para liquidação”, diz Caiado sobre situação do Estado

O governo de Goiás adiou por tempo indeterminado a oferta de ações da estatal Saneago. O motivo seria uma espécie de boicote vindo de Brasília, mais especificamente da Secretaria Especial de Privatizações do Ministério da Economia. Também pesou contra a operação a malsucedida venda da distribuidora de energia Celg ao grupo italiano Enel, em 2016.

Em entrevista ao Valor, o governador Ronaldo Caiado (DEM) informou que os grupos EDP e Equatorial já manifestaram interesse em assumir a distribuição de energia no Estado.

Caiado depende de um compromisso firme com as privatizações para que Goiás possa ser admitido no Regime de Recuperação Fiscal (RRF) do governo federal. Ocorre que os problemas com a Celg resultaram em uma grande rejeição às privatizações por parte da população.

O governador, ainda assim, alerta que a não admissão de Goiás no regime especial vai resultar em um colapso financeiro e administrativo de proporção inimaginável.

O Estado tem até o dia 6 de abril para encontrar uma solução. É nessa data que perde validade uma liminar obtida junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) que garante a Goiás o não pagamento de dívidas com o Tesouro Nacional. “Se eu não tenho a liminar e nem o RRF, não há plano B. O plano B é fechar para liquidação”, explicou Caiado.

A dívida do Estado com o Tesouro em abril será da ordem de R$ 1,8 bilhão. Sem a liminar do STF, esse valor terá que ser pago, o dinheiro do Fundo de Participação dos Estados será bloqueado imediatamente e também serão cortadas as receitas oriundas de emendas parlamentares. “Não fecho a folha de pagamento dos servidores”, diz o governador.

Caiado disse ter levado pessoalmente ao presidente Jair Bolsonaro o argumento de que Goiás merece ingressar no RRF porque “fez a lição de casa” com medidas como a reforma da Previdência e cortes de subsídios a empresas. “Não podemos exigir do Estado mais do aquilo que ele pode oferecer. Não se pode penalizar porque não conseguiu um IPO”, completou o governador.

Além da rejeição imediata da população – e da classe política local – à qualquer proposta de privatização, Caiado disse que a oferta de ações da Saneago, que estava prevista para fevereiro, iria dificultar a renovação do contrato da empresa com as cidades de Goiânia e Anápolis, que representam 50% da receita. O contrato da empresa com a capital foi renovado há três semanas.

O governador apontou ainda uma influência negativa da Secretaria Especial de Privatizações do Ministério da Economia, que estaria passando ao mercado sinais negativos em relação à Saneago.

Segundo Caiado, o secretário Salim Mattar reclamou da forma como o governador vinha criticando a privatização da Celg, alegando que isso poderia manchar a agenda de privatizações. O governador, porém, defendeu um controle mais rigoroso sobre as empresas privadas que assumem os serviços públicos. Procurado, Mattar preferiu não se manifestar, segundo a assessoria de imprensa.

“Tinha a vaca sagrada das estatais e agora querem construir a vaca sagrada das privatizações?”, indagou Caiado, referindo-se ao excesso de desregulamentação que ele vê na agenda de Mattar.

Segundo ele, a oferta de ações da Saneago ficará suspensa até que não haja mais, “por parte da Secretaria Especial de Privatizações, a política de tentar desconsiderar e desqualificar o IPO”. O governador informou que a secretaria tem passado ao mercado a informação de que o negócio só atrairia aportes especulativos.

Desde o ano passado o governador vem defendendo a saída da Enel e a entrada de outra empresa do setor na distribuição de energia do Estado. Ele revelou que o grupo Equatorial Energia manifestou interesse em assumir o serviço. Procurada, a empresa preferiu não comentar porque diz desconhecer o assunto. Até então, somente a EDP havia se apresentado.

Para trocar de concessionária, Caiado cobra uma decisão mais dura por parte da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). “Quero saber se a Aneel vai abrir um processo para pedir a caducidade do contrato. Isso não quer dizer que Goiás vai estatizar. Estamos buscando alguém, na iniciativa privada, que se comprometa com aquilo que assinar”.

Aliado de primeira hora de Bolsonaro, o governador celebra parcerias nas áreas de educação, segurança e saúde, mas cobra maior atenção do governo federal para o repasse de recursos para obras paradas.

Caiado disse ter uma grande necessidade de manutenção das rodovias do Estado – especialmente em tempos de escoamento da safra de grãos -, mas alega não ter recebido “nenhum real” do Ministério do Desenvolvimento Regional.

Por conta disso, Caiado ficou otimista com a troca na pasta, anunciada na semana passada. O governador disse ter boa relação com o novo ministro, Rogério Marinho, e que agora espera conseguir recursos para as estradas.

Apesar das cobranças, Caiado está otimista com a gestão de Bolsonaro e disse considerar a reeleição do presidente um processo “mais do que consolidado”. “Com um ano de governo já conseguiu avanços substantivos. Então, essa situação do crescimento da economia e da recuperação de alguns pontos, como a segurança (…), eu vejo que está mais que consolidada a candidatura dele”.

Sobre a reprodução de um discurso nazista pelo secretário da Cultura e denúncias contra o ministro do Turismo e o secretário de Comunicação, Caiado disse que nenhum governante consegue controlar tudo e que os episódios podem ser considerados como problemas menos graves.

“Há o pecado venial e o pecado mortal, que era rotina nos governos anteriores. Acho que não compromete o pensamento principal da cúpula do governo”.

Fonte: Valor Econômico

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Além disso, verifique

Sandro Mabel é investigado por supostas fraudes em sistema de dados do Ibama

O ex-deputado federal e presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg) Sandro …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *