A huge collection of 3400+ free website templates JAR theme com WP themes and more at the biggest community-driven free web design site
Home / agenda cultural / Marcos Nobre: “Jair Bolsonaro: de louco, não tem nada!

Marcos Nobre: “Jair Bolsonaro: de louco, não tem nada!

Professor da Unicamp, em e-book, lançado em julho de 2020, Marcos Nobre diz que Jair Bolsonaro monta uma democracia tutelada com Congresso Nacional, STF, STJ dóceis

Renato Dias

 Jair Messias Bolsonaro não é louco e muito menos burro. É o que diz o filósofo e cientista social Marcos Nobre. O inquilino do Palácio do Planalto conseguiu impor ao Brasil as suas categorias de pensamento, explica. A sua narrativa é, hoje, hegemônica e estimula a demissão da inteligência. De seu interlocutor. A sua verve segue a cultura da guerra e a pulsão da morte.

A política como guerra é matar ou morrer, anota o pesquisador. A guerra aberta inviabiliza a convivência democrática e a tolerância, pontua. O que implica em mortes, declara. Sob a Pandemia do Coronavirus Covid 19. Números que podem atingir a marca de 100 mil pessoas. O caminho é sair da armadilha. Da lógica e da racionalidade política do capitão reformado, atira.

O comportamento de Jair Bolsonaro é fundado na lógica do seu projeto autoritário, observa o presidente do Cebrap. ‘Ponto final, título do livro de Marcos Nobre, Editora Todavia, de julho de 2020, e-book, é uma expressão do homem que venera Carlos Alberto Brilhante Ustra, co­man­dante do DOI-CODI, de 1970 a 1974, torturador. O que aponta um caráter autoritário, diz.

“Não irá obter o silêncio que quer decretar com o seu ponto final. Nem parar as investigações e sequer estancar a sangria da Pandemia, da crise política e da recessão”.

O professor da Universidade Estadual de Campinas [Unicamp] informa que a crise econômica e financeira de 2008, global, do capitalismo mundial, não tem uma solução à vista. Assim como a Pandemia do Coronavirus Covid 19 e da Pós – Pandemia, explica. Não haverá uma volta para o suposto Estado de Normalidade, dispara o intelectual gauche. Em análise critica. Fria. Dialética.

Marcos Nobre relata que a atual crise, no Brasil, escancara a tática, a estratégia, o arranjo, a ameaça à democracia e o stress institucional. Para evitar o impeachment e se reeleger, em 2022, Jair Bolsonaro executou Políticas Públicas e discursos para 1/3 do eleitorado. “O que poderia impedir seu eventual afastamento levá-lo ao 2º turno e demonizar o seu adversário.”

“Jair Bolsonaro se recolheu ao seu bastião fiel de fanáticos com 12% do eleitorado nacional”.

Homem eleito pelo colapso, com perfil de outsider, já entrou em campanha eleitoral com seis meses apenas no cargo e com o script a ser protagonizado sob a tensão de um presidente da República antissistema. É a sua estratégia, metralha o sociólogo. De poder, assinala. Antiestablishment, chuta de primeira. A única saída possível. Ao caos fabricado por ele mesmo

É o método do caos. Não quer acabar com a Pandemia, superar a crise institucional, retomar o crescimento econômico e o desenvolvimento sustentável, diz. O presidente da República, Jair Bolsonaro, mimetiza táticas e experiências de  populismos autoritários, crê. Com a reeleição, mu­dan­ças radicais podem entrar em cena, frisa. Como mostra a História. Do Tempo Presente.

“A democracia da ditadura de 1964 era a sua verdadeira democracia”

O seu liberalismo se limita à austeridade fiscal. Um  liberalismo esquizofrênico. Sem regulação ambiental, para rever demarcações de terras indígenas, estimular o garimpo, poluir a natu­re­za, destruir direitos trabalhistas e previdenciários, condenar medidas da OMS contra a Pande­mia do Coronavirus. O projeto é liquidar a Constituição Federal de 5 de outubro de 1988, atira.

O seu programa de poder nunca foi para apenas quatro anos, conta. A falta de clareza no tipo de autoritarismo que projeta implantar o torna ainda mais perigoso, avalia Marcos Nobre. A sua coalizão é de conveniência, sintetiza. Sem partidos políticos estruturados, com base parlamentar sólida, capilaridade nacional. Sem quadros. “Para a Esplanada dos Ministérios.”

“Dilma Rousseff caiu em 2016. Não pelas supostas pedaladas fiscais.”

O motivo do seu afastamento foi o de ter impedido o acesso dos feudos dos partidos políticos, que operaram de 1994 a 2014, aos fundos públicos, assim como a orientação de fortalecer a PF e a CGU, além de não segurar as investidas da Operação Lava Jato, crê Marcos Nobre. Grave fragilidade do Palácio do Planalto aos interesses das coalizões fundadas com o Plano Real.

“O autor a denomina de República do Real. O programa eleito, em 2018, é o da vingança contra a democracia”.

Jair Messias Bolsonaro quer uma democracia tutelada, informa Marcos Nobre. Com o Congresso Nacional, Supremo Tribunal Federal, Superior Tribunal de Justiça, TCU, PGR  dóceis, explica.  Antissistema, ele é integrante do sistema e o usa para si e para proteger a sua família, narra. Jair Bolsonaro criou três feudos, aponta. Na Esplanada dos Ministérios, ele denuncia.

Mercado, com agronegócio, indústria e comércio, Paulo Guedes; evangélicos de múltiplas denominações, Damares Alves; Lavajatismo, Sérgio Moro. Com o suporte das Forças Armadas e PMs com três mil cargos federais. O Governo Federal deu um cavalo de pau, em junho de 2020, e montou uma espinha-dorsal com fanáticos, Forças Armadas e PMs e o Centrão, fuzila.

“Com negociações no varejo”.

A ala mobilizadora do Governo Federal é o ‘Gabinete do Ódio’, sob o controle de Carlos Bolsonaro, registra. O Partido Militar cuida da organização, avalia. Ledo engano de quem pensa que haverá rendição aos generais, destaca. Longe disso, analisa. O homem não será domesticado, diz. Muito menos montará uma base parlamentar como Dilma Rousseff, sublinha

“O momento do impeachment não chegou. Ele chegará”

 

Além disso, verifique

TSE vai investigar fake news de Bolsonaro e manda ao STF notícia crime contra presidente

Presidente Jair Bolsonaro. FOTO: JOEDSON ALVES/EFE O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou na noite desta …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *