A huge collection of 3400+ free website templates JAR theme com WP themes and more at the biggest community-driven free web design site
Home / Regiões / Brasil / Grupo que une agronegócio e ambientalistas pede a Bolsonaro controle de desmatamento

Grupo que une agronegócio e ambientalistas pede a Bolsonaro controle de desmatamento

Floresta queima perto de Porto Velho (RO) em 27/8/19. Crédito: Victor R. Caivano / AP Photo

“O agronegócio está sendo prejudicado por quadrilhas que atuam na ilegalidade, manchando a reputação do setor, aumentando a insegurança jurídica e a concorrência desleal para produtores e empresas”, aponta manifesto 

A manifestação ocorre num momento de disparada no desmatamento da Amazônia e de alta no número de queimadas na região. Alertas feitos pelo Inpe indicam que o corte da floresta subiu entre agosto do ano passado e julho deste ano. Monitoramento aponta alta de quase 50% no desmatamento em relação aos 12 meses anteriores.

“Já vivemos períodos em que uma queda significativa do desmatamento se deu em meio a um ciclo de saltos de produtividade na agropecuária. Esse histórico mostra que não é necessário desmatar para aumentar a produção agrícola. O agronegócio está sendo prejudicado por quadrilhas que atuam na ilegalidade, manchando a reputação do setor, aumentando a insegurança jurídica e a concorrência desleal para produtores e empresas”, aponta o manifesto.

A Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, entidade que reúne mais de 200 representantes do agronegócio, de entidades de defesa do meio ambiente, da academia e do setor financeiro, entrega nesta quinta-feira, 29, um manifesto ao presidente Jair Bolsonaro, pedindo que retome o controle do desmatamento para garantir que o Brasil possa ser um “líder agroambiental”.

O grupo, que afirma estar preocupado com a escalada do desmatamento e das atividades ilegais na floresta, frisa que mais de 90% do corte de floresta na Amazônia é ilegal. “O atual governo deve tomar as medidas necessárias, uma vez que tem a sua disposição o aparato miliar e policial e, por isso mesmo, deve ser uma referência no combate à ilegalidade”, escreve.

A Coalizão, que reúne empresas como Amaggi, Bayer, Cargill, Carrefour, Klabin, além de entidades como a Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) e Sociedade Rural Brasileira e as principais ONGs ambientais do País, afirma que as queimadas também impactam a segurança no campo.

“Embora o fogo seja utilizado de forma regular em algumas práticas agrícolas, ele também é usado como forma de abrir ilegalmente áreas na floresta. A relação entre desmatamento e fogo mostra-se particularmente forte neste ano de 2019. A ocorrência de incêndios em maior número, em um ano de estiagem mais suave, indica que o desmatamento pode ser um fator de impulsionamento às chamas. O combate ao desmatamento ilegal envolve também coibir as invasões a terras indígenas ou áreas protegidas, inclusive para fins de garimpo ilegal”, escreve.

A Amazônia, do início do ano até esta terça-feira, 27, já sofreu 43.421 focos de incêndio neste ano. Somente neste mês foram 27.497 –valor mais alto que a média para o mês inteiro registrada nos últimos 21 anos, que foi de 25.853 focos, segundo dados do Programa Queimadas, do Inpe.  Para o bioma, este é o mais número de focos de incêndio para o mês desde 2010, quando houve 45.018. Mas aquele foi um ano de seca histórica na região.

O grupo pede que o governo crie “incentivos para quem cumpre a lei, controlando ações criminosas e incrementando a vigilância sobre atividades clandestinas”.

O manifesto lembra também a urgência de ações de combate à mudança climática e o impacto que a inação pode ter sobre o agronegócio. “O desafio é grande, mas o país tem muito a ganhar. Com seu agronegócio forte e competitivo, o Brasil precisa garantir o posto de potência agroambiental, uma vez que abriga a maior floresta tropical do mundo, as mais altas taxas de biodiversidade e 12% da água doce do planeta”, escreve a coalizão.

“Para isso, as políticas de governo precisam centrar esforços no enfrentamento da crise climática, no controle do desmatamento e da ilegalidade no campo e no fomento ao agronegócio sustentável, possibilitando não só o cumprimento do Acordo de Paris, mas também o aumento da ambição de suas metas para garantir a segurança climática, hídrica e alimentar do planeta”, complementa.

Giovana Girardi

Além disso, verifique

Federal Judge Sergio Moro gestures during a public hearing at the special committee of the Chamber of Deputies that discusses changes in the code of criminal procedure in Brasilia, Brazil, on March 30, 2017. 
Moro today condemned former president of the Chamber of Deputies Eduardo Cunha to 15 Years of imprisonment on charges of corruption. / AFP PHOTO / EVARISTO SA

Como pacote anticrime não avança, Moro foca no combate às facções

 Com dificuldades de fazer o pacote anticrime avançar no Congresso, o ministro da Justiça e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *