A huge collection of 3400+ free website templates JAR theme com WP themes and more at the biggest community-driven free web design site
Home / Regiões / Brasil / Anistia: 40 anos de uma lei esquizofrênica e de interpretação ardilosa e medíocre, por Francisco Celso Calmon

Anistia: 40 anos de uma lei esquizofrênica e de interpretação ardilosa e medíocre, por Francisco Celso Calmon

Não era a anistia ampla, geral e irrestrita que a sociedade civil queria, mas foi a que trouxe de volta os nossos irmãos brasileiros banidos da pátria e exilados do acalanto de seus lares.

Toda lei é obra da política, da correlação de forças da época de sua gênese. A lei da anistia foi aprovada por 50,61 de um Congresso no qual figurava os senadores biônicos (não eleitos pelo povo e sim indicados pelo ditador e escolhidos indiretamente), os quais constituíam 32% do Senado Federal, mesmo assim a diferença fora de apenas 5 votos a favor do projeto do governo.

É inquestionável que a Ditadura Militar surgiu com um golpe (1964), rasgou o diploma legal, cometeu monstruosa ilegalidade e, com o tempo, as ilegalidades se multiplicaram, sobretudo quando os militares começaram a usar a violência para calar a oposição. O movimento pela anistia se tornaria uma grande bandeira da sociedade e um caminho inevitável.

Cansadas da mordaça que lhes havia sido imposta e sensíveis aos lamentos vindos dos porões da ditadura, as vozes, antes silentes, foram à luta participar do movimento pela anistia ampla, geral e irrestrita. O grito da Nação foi mais forte, a ditadura cedeu. Em 28 de agosto de 1979, a lei 6683 foi promulgada pelo último ditador, general João Figueiredo – aquele que gostava do cheiro de cavalo e não o do povo.

Não era a anistia ampla, geral e irrestrita que a sociedade civil queria, mas foi a que trouxe de volta os nossos irmãos brasileiros banidos da pátria e exilados do acalanto de seus lares. Uma lei aprovada em condições precárias, pela óbvia razão de que uma das partes tinha os fuzis e a outra estava sob suas miras, quando o Congresso era composto por senadores “biônicos”, as tesouras da censura continuavam afiadas, bombas armadas em quartéis e colocadas  até em bancas de jornais mantinham o clima de terrorismo da linha dura dos militares, e, ainda, a grande mídia permanecia comprometida com a ditadura.

A lei da Anistia (depois da Constituição de 1988 e do Regime Anistiado Político) obrigou a União à reparação a todos que foram prejudicados profissionalmente pela ditadura, voltando às suas carreiras como se na ativa estivessem permanecidos. Contudo, esses diplomas não diferenciaram o sofrimento daqueles que, independente do prejuízo profissional, sofreram as arbitrariedades do regime. A lei não indeniza pelos tempos de prisão, tortura, humilhação, sevícia e sequelas, mas, unicamente pelo dano profissional. O Estado ditatorial sequestrou, aprisionou, estuprou, torturou, julgou, condenou, baniu, matou e desapareceu com os brasileiros que se insurgiam contra a sua tirania, e o fez com base em leis, tribunais e órgãos de exceção e repressão – era o terrorismo de Estado. A lei é de indenização ao dano profissional, não alcança os danos morais e materiais perpetrados pela ditadura aos opositores do regime.

À época, a interpretação da Lei da Anistia se baseou numa corruptela do conceito de crimes conexos, sem o devido amparo legal do CPC e da Constituição, sendo que, posteriormente, a emenda 26/85 excluiu a expressão “de qualquer natureza”, que consta na lei da anistia. Expressão que permitiu a juristas tendenciosos interpretarem como anistiados também aos agentes da ditadura. Contudo, mesmo admitindo tal corruptela, há o 2º parágrafo (Excetuam-se dos benefícios da anistia os que foram condenados pela prática de crimes de terrorismo, assalto, sequestro e atentado pessoal), que foi aplicado a alguns militantes que permaneceram presos após a lei, contudo, também deveria atingir aos agentes da ditadura que praticaram terrorismo, sequestros, atentados pessoais. Ademais, o direito internacional não admite a autoanistia, estando o Brasil condenado pela Corte Interamericana de Direitos Humanos.

Os crimes de lesa-humanidade ocorreram desde o dia do golpe até após a Lei da Anistia, como a carta-bomba que matou a secretária da OAB, em 27 de agosto de 1980, e o atentado ao Riocentro, em 30 de abril de 1981, portanto, mesmo admitindo a interpretação capciosa do STF,  a lei não anistia os crimes de terrorismo ocorridos após 1979, como o do atentado, o da secretária da OAB e ataques com explosivos às bancas de jornais.

A lei que criou a Comissão Nacional da Verdade mandou apurar e identificar os autores das graves violações dos Direitos Humanos. E não o fez à toa. O relatório nomina 377 agentes.

É de máxima importância ir além do drama humanitário das vítimas. É preciso criminalizar os agentes. Sem justiça não haverá a reconciliação do país e a impunidade continuará como marca da história brasileira.

Anistia não é esquecimento! O passado não é para ser esquecido, mas lembrado para nunca mais ser repetido. É impossível esquecer as ignomínias da tirania e do terror do Estado. O eixo da campanha pela anistia não foi o do perdão, além do retorno dos exilados, foi o da denúncia dos crimes da ditadura – exigindo esclarecimento das mortes e dos desaparecimentos forçados, com a devida responsabilização do Estado e a criminalização dos agentes que cometeram as graves violações aos Direitos Humanos.

Não havendo justiça de transição os vermes do passado permanecem a corromper a sociedade, como atualmente com o bolsonarismo, que representa o lixo dos remanescentes da linha dura da ditadura militar.

O presidente miliciano, ex-capitão, Bolsonaro, o vice, gal. Mourão, e os mais próximos ajudantes, como o porta-voz da presidência, general Floriano Peixoto,  o Chefe do GSI, general Augusto Heleno, eram oficias do Exército na década de 70 e ardorosos defensores da linha dura da ditadura militar, na época e no presente, constituindo um perigo para o que resta de democracia no Brasil.

Quando o povo der uma basta a este Estado policial de milicianos, militares e togas fascistas e o Estado democrático de Direito for recomposto, a pauta memória/verdade/justiça deverá ser retomada com a instalação de uma segunda Comissão Nacional da Verdade e a lei da anistia ser reinterpretada, desta feita, corretamente.

Seguramente Bolsonaro e outros militares do seu governo devem ter informações a prestar à CNV II sobre os mortos e desaparecidos pela ditadura militar e a responder pelos seus delitos do passado e atuais. Mas não podem mentir!

O governo bolsonarista não conseguirá apagar o passado, a verdade histórica é mais forte e sobrepujará suas mentiras, virá sempre à memória da sociedade para assombrar àqueles que terão que prestar contas à história e à justiça.

Revelar a memória, estabelecer a verdade e implementar políticas de reparação aos períodos de barbáries da nossa história – escravagismo e ditaduras, é dever axiomático do Estado democrático de direito.

Por

Francisco Celso Calmon

Além disso, verifique

Federal Judge Sergio Moro gestures during a public hearing at the special committee of the Chamber of Deputies that discusses changes in the code of criminal procedure in Brasilia, Brazil, on March 30, 2017. 
Moro today condemned former president of the Chamber of Deputies Eduardo Cunha to 15 Years of imprisonment on charges of corruption. / AFP PHOTO / EVARISTO SA

Como pacote anticrime não avança, Moro foca no combate às facções

 Com dificuldades de fazer o pacote anticrime avançar no Congresso, o ministro da Justiça e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *