A huge collection of 3400+ free website templates JAR theme com WP themes and more at the biggest community-driven free web design site
Home / Regiões / Brasil / Bolsonaro atende a pedido de evangélicos e afrouxará obrigações fiscais de igrejas

Bolsonaro atende a pedido de evangélicos e afrouxará obrigações fiscais de igrejas

Bolsonaro participa da Marcha para Jesus, em São Paulo Foto: MIGUEL SCHINCARIOL / AFP

RIO — Depois de um semestre marcado por atritos e insatisfação com o governo de Jair Bolsonaro, a bancada evangélica conseguiu fazer com que o presidente se tornasse fiador de um pacote que deve flexibilizar as obrigações deigrejas perante o Fisco. Em reunião no Planalto em maio, com a presença do ministro da Economia, Paulo Guedes , Bolsonaro estabeleceu prazo de dois meses para o secretário especial da Receita Federal , Marcos Cintra, atender a solicitações de parlamentares que contestam multas cobradas de entidades religiosas.

A proposta, apresentada por intermédio do deputado federal Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), já conseguiu duas vitórias parciais: o fim da obrigação de igrejas menores se inscreverem no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), já editada pela Receita; e a elevação (de R$ 1,2 milhão para R$ 4,8 milhões) do piso de arrecadação para que uma igreja seja obrigada a informar suas movimentações financeiras diárias. A bancada evangélica também pediu que as entidades sejam liberadas de determinadas demonstrações contábeis.

Além de Sóstenes — aliado do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo —, a reunião do dia 14 de maio teve a participação de outras lideranças da bancada evangélica, como Silas Câmara (PRB-AM) e Marco Feliciano (Pode-SP). Um estudo da Kadoshi Contabilidade Eclesiástica, levado inicialmente a Malafaia, alegou que as organizações religiosas, embora protegidas por lei de tributação na sua arrecadação, estão “penalizadas com multas pesadas e desproporcionais” por causa das chamadas “obrigações acessórias” para obterem o benefício. Cintra pedia, inicialmente, um prazo de dois anos para adaptar as exigências. Bolsonaro, segundo participantes da reunião, impôs uma resolução até o fim de julho.

— O presidente colocou esse prazo de dois meses diante dos deputados — confirmou Otoni de Paula (PSC-RJ), outro participante da reunião. — Nosso objetivo não é aliviar obrigações trabalhistas ou previdenciárias. Queremos corrigir restrições que atingem as igrejas.

UMA ‘MINIRREFORMA TRIBUTÁRIA’
Bancada evangélica quer rever obrigações de entidades religiosas com a Receita Federal
IGREJAS COM MAIORES DÍVIDAS*
Débitos com a Fazenda Nacional e o FGTS inscritos na dívida ativa
Ação e Distribuição
R$ 374,5 milhões
Igreja de fachada que movimentava recursos para grupo criminoso instaurado na Secretaria de Fazenda de SP, investigado pela Polícia Federal em 2012
Igreja Internacional
da Graça de Deus
R$ 111,1 milhões
Entidade liderada pelo bispo R.R. Soares
Associação das Famílias para a
Unificação da Paz Mundial
R$ 97,3 milhões
Braço da entidade criada pelo Reverendo Sum Myung Moon, na Coreia do Sul
Igreja Mundial do Poder de Deus
R$ 72,1 milhões
Entidade liderada pelo Apóstolo Valdemiro Santiago
Convenção das Igrejas Evangélicas Assembleia de Deus de Santa Catarina e Sudoeste do Paraná
R$ 44,9 milhões
Braço da Assembleia de Deus. Entidade presidida pelo Pastor Nilton dos Santos
MULTAS E ANISTIA
Igrejas devem R$ 12,5 milhões por descumprir “obrigações acessórias”
Escrituração contábil digital (ECD)
O QUE AS
IGREJAS PEDEM
Fim da obrigação da ECD, que vigora para igrejas desde 2016. O documento reúne, em meio digital, movimentações financeiras diárias
COMO
É HOJE
Em maio, o governo aumentou de R$ 1,2 milhão para R$ 4,8 milhões o piso de arrecadação que torna obrigatória a entrega da ECD
Declaração de débitos e créditos de tributos federais (DCTF)
O QUE AS
IGREJAS PEDEM
Extinguir a DCTF de igrejas e anistiar multas cobradas pela falta de entrega do documento, que informa sobre tributos e contribuições recolhidos
COMO
É HOJE
O governo mantém a obrigatoriedade da DCTF, com multa mensal de R$ 500 em caso de falta de entrega da declaração
CNPJ
O QUE AS
IGREJAS PEDEM
Obrigar a inscrição no CNPJ somente da matriz da igreja, liberando as filiais
COMO
É HOJE
A Receita já oficializou a dispensa de inscrição de templos que “não tenham autonomia administrativa ou que não sejam gestores de orçamento”
 
*Débitos com a Fazenda Nacional e o FGTS inscritos na dívida ativa
Fonte: Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional

O montante devido por entidades religiosas à Receita Federal é de R$ 453,3 milhões atualmente, segundo o órgão. Destes, R$ 12,5 milhões são multas por descumprimento das “obrigações acessórias”, como a Declaração de Débitos e Créditos de Tributos Federais (DCTF) mensal e a Escrituração Contábil Digital (ECD), as quais as igrejas querem ficar liberadas de apresentar. Em função do sigilo fiscal, a Receita não detalha a dívida de cada entidade.

Já o débito total de entidades religiosas inscrito na dívida ativa ultrapassa a marca de R$ 1 bilhão, segundo dados da Procuradoria-Geral de Fazenda Nacional. Das cinco maiores devedoras, quatro são denominações evangélicas que somam R$ 325,5 milhões em dívidas. A lista também conta, por exemplo, com organizações católicas, espíritas e até de maçonaria, cuja imunidade tributária já foi contestada no Supremo Tribunal Federal (STF).

O aceno de Bolsonaro às igrejas ocorre depois que parlamentares da bancada evangélica manifestaram seguidos descontentamentos com o presidente. Parte do grupo se articulou, no início de maio, para derrubar o decreto presidencial que flexibilizava o porte de armas. Um dos atritos mais sensíveis ocorreu em abril, quando Marcos Cintra sugeriu, em entrevista à “Folha de S. Paulo”, que a criação do imposto da Contribuição Previdenciária (CP) poderia atingir o dízimo pago por fiéis. No dia seguinte, Bolsonaro desautorizou o secretário e disse que seu governo não criaria novos impostos, “em especial contra igrejas”.

Receita nega “anistia”

Bolsonaro já tentava fazer outros gestos de aproximação com os evangélicos, segmento em que o presidente aparece com 41% de aprovação, segundo levantamento divulgado ontem pelo Datafolha — entre os católicos, o índice cai para 25%. Em abril, participou de um almoço com lideranças evangélicas no Rio, organizado por Malafaia, além de ter participado da Marcha para Jesus no mês passado.

Ao defender a extinção da obrigação de entregar a DCTF e a ECD, a proposta da bancada evangélica, elaborada pelo contador Fábio Kadoshi, argumenta que as multas por omissões nesses documentos são mais de 30 vezes superiores às penalidades cobradas de pequenas e médias empresas inscritas no Simples nacional. Kadoshi diz que as duas modalidades de prestação de contas não deveriam se aplicar a entidades religiosas, que não teriam condições de fazer o mesmo controle tributário de empresas privadas:

— Prestar contas é necessário. Dificultar o cumprimento da missão das igrejas é desnecessário. Até agora, o governo atendeu 30% das sugestões.

Procurada, a Receita informou que “não está em estudo qualquer medida de anistia tributária, que dependeria de deliberação do Congresso”. A Receita ressaltou que atendeu a uma das demandas do grupo ao publicar, no fim de junho, instrução normativa que dispensa a inscrição no CNPJ para “organizações religiosas que não tenham autonomia administrativa e orçamentária”.

Bernardo Mello e Thiago Prado/O Globo

Além disso, verifique

Federal Judge Sergio Moro gestures during a public hearing at the special committee of the Chamber of Deputies that discusses changes in the code of criminal procedure in Brasilia, Brazil, on March 30, 2017. 
Moro today condemned former president of the Chamber of Deputies Eduardo Cunha to 15 Years of imprisonment on charges of corruption. / AFP PHOTO / EVARISTO SA

Como pacote anticrime não avança, Moro foca no combate às facções

 Com dificuldades de fazer o pacote anticrime avançar no Congresso, o ministro da Justiça e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *