A huge collection of 3400+ free website templates JAR theme com WP themes and more at the biggest community-driven free web design site
Home / Regiões / Goiás / PEC que reduz repasses à UEG gera críticas e tem pedido de vistas coletivo

PEC que reduz repasses à UEG gera críticas e tem pedido de vistas coletivo


Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Talles Barreto diz que proposta retira R$ 400 milhões do ensino básico; Bruno Peixoto afirma que na gestão passada governos investiam apenas 20% no segmento

Por meio de emenda, o deputado e líder do Governo na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), Bruno Peixoto (MDB), defende que a Universidade Estadual de Goiás (UEG) tenha seus 2% inclusos dentro dos 25% que o Estado repassa para a Educação, por meio de receita de impostos, o que tem gerado uma série de críticas – com a separação original, seriam 27%, no total. Inclusive, houve pedido de vistas coletivo sobre a matéria, nesta quarta, 16.

O projeto de Bruno diz o seguinte: “O Estado aplicará, anualmente, 25% da receita de impostos, compreendida a proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino, na educação básica, na educação profissional e no ensino superior, incluída a Universidade Estadual de Goiás, assegurando a esta última a destinação de 2% dentro da base vinculada”.

Críticas

Talles Barreto (PSDB), no pequeno expediente, disse que os deputados que votarem a favor disso farão a educação básica perder R$ 400 milhões. “Os governos de Alcides Rodrigues e Marconi Perillo mantiveram os índices de 25% para a Educação e mais 2% para a UEG, via ciência e tecnologia, se esse governo Caiado não sabe cumprir esses índices é melhor pedir para sair”.

O líder do governo também fez uso do pequeno expediente e rebateu o tucano. ” Os governos anteriores da gestão do PSDB investiram apenas 20% na Educação. Faltou dinheiro na Educação? Alguém aqui viu alguma criança fora da sala de aula? ”

Ele ainda declarou que os jovens não têm risco de ficarem sem estudar. O deputado Chico KGL, da mesma forma, também foi à tribuna para dizer que administração passada não cumpriu a obrigação de repasse.

Segundo ele, que esteve na UEG de Anápolis, a universidade vive seu pior momento, mas Caiado e sua equipe lutam para torná-la referência. “Na nossa conversa, o reitor [Ivano devilla, de Anápolis] pediu para que a partir do ano que vem, sejam pagas despesas do governo passado. Uma conta que não é nossa, nem do trabalhador, nem do governo atual. Mas somos solidários e não vamos cobrar essa conta da população goiana”, garantiu.


Talles Barreto | Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Justificativa

Conforme a justificativa do texto enviado por Peixoto, “a presente emenda visa acrescer, ao percentual definido na Carta Magna da República, para aplicação na Educação, os valores aplicados também no ensino superior e especificamente na Universidade Estadual de Goiás (UEG)”.

Segundo escrito, o Estado está em seu pior momento financeiro e corre risco de acumular dívidas que causarão danos à gestão pública. “Demais disso é importante frisar que há a imperiosa necessidade de se trazer à realidade financeira do Estado à baila e não mais promover o ‘faz de conta’ acontecido ao longo dos últimos anos até que culminasse no parecer pela rejeição das contas do exercício de 2.018”.

Por conta disso, a justificativa aponta a necessidade de que se inclua o ensino superior “no rol dos itens vinculados para gastos com educação”. E o texto acusa, ainda, de, ao longo dos últimos anos, que o percentual de 25% não foi alcançado.

Assinaturas

A matéria, que passou nesta quarta pela CCJ, teve pedido de vistas coletivo. Porém, assinaram a emenda, além de Bruno Peixoto, os deputados Álvaro Guimarães (DEM), Amauri Ribeiro (PRP), Dr. Antônio (DEM), Chico KGL (DEM), Humberto Teófilo (PSL), Henrique Cesar (PSC), Paulo Cezar (MDB), Rafael Gouveia (DC), Diego Sorgatto (PSDB), Rubens Marques (Pros) e Amilton Filho (SD).

Paulo Trabalho (PSL) chegou a assinar, mas retirou. Ele diz que só vota se Iso Moreira (DEM) votar junto.

Além disso, verifique

454170_1000

Férias: bêbados e crianças lideram mortes por afogamento no Tocantins

Mais de nove mil ações foram executadas pelo Corpo de Bombeiros Militar no segundo final …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *