A huge collection of 3400+ free website templates JAR theme com WP themes and more at the biggest community-driven free web design site
Home / Regiões / Brasil / Bancos divergem sobre economia que virá com reforma

Bancos divergem sobre economia que virá com reforma

 Paulo Guedes

Apenas a MB Associados aposta na possibilidade de a reforma ser aprovada ainda no primeiro semestre. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Com incertezas políticas, ‘poupança’ estimada em dez anos varia de R$ 400 bi até R$ 990 bi, ou de 32% a 80% do R$ 1,2 trilhão esperado pelo governo

A incerteza política tem dificultado as projeções feitas por bancos e consultorias sobre a economia que será gerada pela reforma da Previdência nos próximos dez anos. Há desde estimativas que apontam para uma economia de R$ 400 bilhões – o que seria equivalente a apenas 32% do R$ 1,2 trilhão esperado pelo governo – até de R$ 990 bilhões (80%). Mesmo dentro das instituições financeiras, o intervalo de aposta é grande, dada a dificuldade de se prever o que acabará ficando de fora do texto final.

Itaú Unibanco, por exemplo, projeta uma economia entre R$ 670 bilhões e R$ 990 bilhões, com a aprovação da proposta no plenário da Câmara dos Deputados em agosto. “A margem é grande por causa da incerteza”, reforça o economista do banco Pedro Schneider.

Para Fabio Klein, economista da Tendências, além da dificuldade de se prever o que sobrará do texto após a tramitação no Congresso, há um empecilho extra decorrente da necessidade de se fazer projeções para vários indicadores econômicos nos próximos dez anos.

A Tendências é uma das poucas a definir um número exato de economia esperada: R$ 640 bilhões. O viés, porém, é negativo. “Quando a proposta foi apresentada, o viés era positivo, o texto era mais forte do que o proposto pelo governo Temer. Mas a coisa mudou rapidamente. Nem uma semana depois da apresentação, o presidente Jair Bolsonaro já falou que poderia reduzir a idade mínima para mulheres se aposentarem”, diz.

Centrão

Na quarta-feira, em ato pelo Dia do Trabalho em São Paulo, o presidente licenciado da Força Sindical, deputado Paulo Pereira da Silva (SD), disse que busca articular com o Centrão uma desidratação da reforma previdenciária para impedir a reeleição de Bolsonaro. Segundo ele, uma reforma com economia de R$ 800 bilhões favoreceria Bolsonaro ao garantir recursos para serem investidos nos próximos três anos. Paulinho da Força defendeu uma reforma de, no máximo, R$ 600 bilhões.

Um resultado como esse, no entanto, seria perigoso para o Brasil, segundo economistas. Para Tony Volpon, economista-chefe do UBSno Brasil, uma economia inferior a R$ 600 bilhões poderia significar uma trajetória explosiva na dívida brasileira. “O governo já está esperando alguma desidratação, mas estamos sustentando que, no final, teremos uma reforma robusta”, diz.

O economista Lucas Vilela, do Credit Suisse, também aposta em uma economia significativa, de R$ 750 bilhões. “Ainda que desidrate, uma reforma dessa teria economia maior do que a que estava em negociação no fim do governo Temer”, afirma. O primeiro texto apresentado por Temer previa que o governo pouparia R$ 851 bilhões em dez anos. Com as modificações que foram sendo acrescentadas, o valor no fim do ano passado era de R$ 553 bilhões.

O levantamento feito pelo Estado com 13 bancos e consultorias mostra que apenas dois deles (Itaú e Bradesco) acreditam na possibilidade de aprovação de uma reforma como a que Paulinho da Força pretende impedir. Por outro lado, quatro casas consultadas – os bancos Citi, MUFG e BNP Paribas, além da consultoria política Eurasia – têm um número inferior aos R$ 600 bilhões citados pelo político. Ainda de acordo com o levantamento feito pela reportagem, a MB Associadosé a única a apostar na possibilidade de a reforma passar pelos deputados ainda neste primeiro semestre.

Apesar de não conseguirem precisar as modificações que deverão aparecer na proposta aprovada pelo Congresso, a maioria dos bancos e consultorias concorda que a idade mínima, a aposentadoria rural e o Benefício de Prestação Continuada (BPC) – pago a idosos pobres – sofrerão mudanças importantes, reduzindo a economia.

Relação reforma-PIB

Uma reforma que gere uma economia de R$ 700 bilhões em dez anos permitirá que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresça 2,9% em 2020 e a uma média anual de 2,5% entre 2021 e 2029, segundo estudo do banco UBS. Caso o texto desidrate até a economia ficar em R$ 400 bilhões, o PIB no ano que vem deverá avançar 2% e a média anual ficará também nesse patamar.

O UBS fez ainda estimativas para a evolução da situação fiscal e da dívida do País. Com uma reforma nos moldes do projeto apresentado pelo governo Bolsonaro – com economia superior a R$ 1 trilhão –, o País terá superávit fiscal em 2022. Se o texto garantir R$ 700 bilhões de economia ou R$ 400 bilhões, o superávit ficará para 2024 e 2027, respectivamente.

No caso da dívida bruta, a probabilidade de ela ser inferior a 85% do PIB nos próximos dez anos é de 79% caso a reforma garanta uma economia de R$ 700 bilhões. Se a reforma ficar em R$ 400 bilhões, essa probabilidade cai para 44%. Hoje, a dívida bruta equivale a 77% do PIB, e um número mais baixo para essa relação pode ajudar o País a retomar o grau de investimento concedido pelas agências de classificação de risco.

Luciana Dyniewicz, O Estado de S.Paulo

Além disso, verifique

Federal Judge Sergio Moro gestures during a public hearing at the special committee of the Chamber of Deputies that discusses changes in the code of criminal procedure in Brasilia, Brazil, on March 30, 2017. 
Moro today condemned former president of the Chamber of Deputies Eduardo Cunha to 15 Years of imprisonment on charges of corruption. / AFP PHOTO / EVARISTO SA

Como pacote anticrime não avança, Moro foca no combate às facções

 Com dificuldades de fazer o pacote anticrime avançar no Congresso, o ministro da Justiça e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *